Na economia pós-pandemia, dados serão ainda mais cruciais

Tecnologia da Mastercard analisa bases de dados com segurança e ética para gerar insights e aumentar a lucratividade das empresas.

Em 2020, o mundo mudou. A transformação digital tornou-se uma realidade e isso acelera as exigências da sociedade. As pessoas querem ter interações simples e rápidas com empresas, governos, lojas e todos com quem se relacionam online. Ao nos tornarmos digitais, geramos cada vez mais dados. Essas informações, utilizadas com ética e segurança, podem ser a base para a inovação e a lucratividade de muitas empresas.

“Estamos no meio de uma mudança de paradigmas. A pandemia de Covid-19 acelerou a transformação digital e o ciclo de vida do consumidor agora é online. Na economia digital pós-pandemia, dados serão cruciais para entender o futuro e aproveitar todas as oportunidades que essas mudanças trazem”, disse Raj Seshadri, presidente de Data & Services da Mastercard, em palestra no Innovation Forum América Latina e Caribe, criado pela empresa para compartilhar a visão de líderes e especialistas da indústria de tecnologia e meios de pagamentos.

Uma pesquisa da consultoria McKinsey mostra que organizações orientadas por dados ganham 23 vezes mais probabilidade de adquirir novos consumidores, seis vezes mais capacidade de reter clientes e 19 vezes mais chances de ser lucrativa. Uma empresa só conseguirá enxergar o futuro claramente, segundo Raj, se abraçar a informação e tomar decisões baseadas em big data.

Isso envolve o uso da tecnologia de uma forma mais assertiva, como no varejo, para criar ofertas personalizadas, voltadas para cada um dos clientes.

Na metodologia da área de Data & Services, a divisão de serviços de consultoria e insights de dados da Mastercard, o cliente é sempre posicionado no centro. Segundo Raj Seshadri, a Mastercard atua em quatro etapas: descoberta, recomendação, ação e melhorias.

Esse processo permite que empresas de variados setores tomem decisões mais eficientes. É o caso do varejista Éxito, com sede na Colômbia. Com mais de 500 lojas, entre hipermercados, supermercados e lojas de conveniência, a rede desejava aumentar o uso de pagamentos por aproximação e melhorar a experiência do consumidor.

Depois de analisar todo o ecossistema de lojas, olhando para dados como tamanho, tipo, localização e número de caixas, a Mastercard implementou múltiplas campanhas-piloto de marketing em 34 lojas, para testar a efetividade. As campanhas envolveram treinamento local e virtual de operadores de caixa, comunicação com os clientes e incentivo para a utilização de pagamento por aproximação.

O resultado foi um aumento de 44% nos pagamentos por aproximação. O varejista registrou ainda 1% de crescimento nas transações totais, com o dinheiro sendo substituído pelo cartão. Os consumidores finalizaram suas compras 3 segundos mais rápido. “Pode não parecer muito, mas isso representa 3,9% de aumento na velocidade de pagamento, fator importante para os custos da loja e a satisfação dos clientes”, afirma Raj. ​